G1 Região dos Lagos




Prisão foi realizada nesta quarta-feira (11) em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio, por agentes da delegacia de Cabo Frio, onde a quadrilha também fez vítimas. Mulher é presa em Saquarema suspeita de integrar quadrilha que aplica golpe do bilhete premiado em idosos no RJ, SP e PR
Divulgação/Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro
Uma mulher apontada pela polícia como integrante de uma quadrilha que aplica golpes em idosos em cidades dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, foi presa na manhã desta quarta-feira (11) em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio, durante a segunda fase da operação Bilhete Premiado.
A ação foi realizada por policiais civis da delegacia de Cabo Frio, cidade onde a organização criminosas também fez vítimas. A operação Bilhete Premiado, tinha como objetivo o cumprimento de dois mandados de prisão, mas um dos suspeitos não foi encontrado no local.
Segundo as investigações, a atuação dos criminosos era abordar pessoas mais vulneráveis. Um dos estelionatários se passava por uma pessoa analfabeta e pedia a ajuda de idosos para ler um bilhete que dizia ‘vem pra cá, na minha loja, e não fala pra ninguém. Você ganhou na loteria’. Leia mais sobre a abordagem dos criminosos mais abaixo.
Na primeira fase da operação, que ocorreu em agosto de 2022, a polícia prendeu outros três integrantes da quadrilha em Cabo Frio. A polícia continua realizando buscas por outros envolvidos em municípios de São Paulo e Minas Gerais.
De acordo com a Polícia Civil, a quadrilha, que se instalou em Saquarema no ano de 2018, causou um prejuízo milionário a diversos idosos. Uma representação para perda de patrimônios que estão em nome de um dos integrantes da quadrilha já foi solicitada para que os bens sejam revertidos em indenizações às vítimas.
Ainda segundo a polícia, entre os patrimônios do suspeito estão uma casa em Saquarema; dois apartamentos em Araruama; uma casa em São Paulo; além de carros, que totalizam R$ 1.685.785,00.
O ‘modus operandi’
De acordo com as investigações, a polícia identificou a forma como os criminosos abordavam as vítimas, que geralmente eram pessoas mais vulneráveis.
Um dos estelionatários se passava por uma pessoa analfabeta e pedia a ajuda de idosos para ler um bilhete que dizia “vem pra cá, na minha loja, e não fala pra ninguém. Você ganhou na loteria”. Um segundo estelionatário, que se passava por um pedestre comum, também oferecia ajuda e fingia ligar para o banco para confirmar o prêmio.
Ao ter a falsa confirmação de que o bilhete era premiado, o suposto analfabeto falava para a vítima que não tinha interesse em receber todo o valor, e pedia para que a vítima lhe desse apenas uma quantia entre R$ 50 mil e R$ 100 mil para que ele então entregasse o bilhete premiado para o idoso. O segundo estelionatário fingia fazer o processo, induzindo o idoso a cair no golpe.
Em agosto de 2022, uma idosa de Cabo Frio, perdeu R$ 50 mil para os criminosos. Desde então a 126ª DP, que é a delegacia de Cabo Frio, passou a investigar o caso.



Feed